domingo, 1 de abril de 2012

Despretensão



O negócio
é tu
não olhar pra borboleta
E ela vem e pousa
na tua testa
A ambição impede
que a Obra
seja completa
Se tu deixar a borboleta ali, pousada, na dela,
tua mente se aflora em dez mil pétalas

Se tu quiser meter a mão no ouro
tu até chega a atingir certo poder,
mas tende a morrer na praia,
queimado
Pois é
Portanto,
Ofereça logo ao Fogo
este seu foco desmedido e insensato

Tem-se de estar meio disperso
para conceber o último passo
Paraíso revelado
aqui e agora

Sabe, aquele momento
em que a pipoca
vira do avesso?
É a hora
em que
se esquece do êxito

Deixa voar!
Não seja assim tão curioso
Deixe que vá,
sem pensar no retorno
Quando estiver quase lá,
a um detalhe de alcançar o auge,
simplesmente aguarde...

Verá que a Grande Obra
realiza-se por Si só